4 de dez de 2016

Mudando de vida

Mudanças significam sair da zona de conforto.
O que nao é nada confortável.
Deixar sua rotina, vida, amigos, família, trabalho, enfim toda a sua vida para trás,
atrás de uma nova vida.
No meu caso, simplesmente nao me via mais vivendo a minha vida confortável em São Paulo, quando  me dei conta que nada mudaria, que as questões pelas quais me fizeram mudar do país não
seriam resolvidas em 20/30 anos, por mais que lutei, me manifestei, argumentei, até me dar conta que quem tinha que mudar era eu e não o país.
A mudança foi feita e muita coisa de fato mudou.
Minha saúde sobretudo.
Sei que encontrei uma paz que jamais alcançaria em São Paulo.
Abro a janela do meu quarto e vejo o horizonte, montanhas, árvores, percebo a mudança das estações, respiro um ar fresco, limpido, como a vida deve ser.
Muita gente me pergunta quem faz as rotinas caseiras de casa, aqui é outra vida, tem quem faça, mas custa e se no Brasil trabalhamos para pagar quem faça aqui é diferente, eu mesma lavo minha roupa, coloco a mesa, preparo minhas refeições, lavo minha louça.
Trabalho no meu jardim, tenho a ajuda do Romeu, meu fiel jardineiro, mas sobretudo eu faço, pois o prazer de ver o resultado compensa o trabalho.
Por vezes me vejo arrancando as ervas daninhas ou catando as folhas caídas dos carvalhos.... trabalho de carcerário, mas penso...melhor que estar parada no trânsito.......
E assim os dias se passam na Umbria, protegida pela tradição italiana, pelos costumes de cada um fazer sua horta, sua geléia, seu molho de tomate, são menos informatizados? Sim são. Ainda bem. Isso os protege da globalização. Isso torna a Itália um país fascinante para quem o visita.
A cada dia descubro coisas novas. Isso nao teria vivendo na zona de conforto. Mudar exige muita força. Mas apreciar a novidade que a vida nos apresenta é muito mais prazeiroso.
Acomodar é a morte ao vivo!